O Ford Ka ganhou sua própria roupa aventureira. Lançada em março, a versão Trail tem novos detalhes estéticos e suspensão elevada. A lista de rivais é extensa, mas os principais alvos são, o Chevrolet Onix Activ e o Hyundai HB20X, além do VW CrossFox e do Toyota Etios Cross.

Com motor 1.0, o Ka Trail sai por R$ 47.690. Na opção 1.5, o preço pula para R$ 51.990. Na gama do Ka, a nova versão fica abaixo das configurações top de linha (SEL 1.0 e SEL 1.5). Por alguma razão, carros com roupa aventureira fazem sucesso no Brasil. Com o Ka Trail 1.0 testado pelo Super Motor, não foi diferente. O visual da versão chama atenção por onde passa.

Além do visual cool, a versão traz como forte apelo de compra a suspensão 3,1 cm mais alta em relação ao Ka convencional. O Ka Trail tem novas molas e amortecedores. O eixo traseiro é mais rígido, e a barra estabilizadora da suspensão dianteira é ligeiramente maior. Outro diferencial fica por conta dos pneus de uso misto, calçados em rodas de liga leve aro 15 exclusivas da versão.

O pacote de equipamentos da versão é honesto. São de série: faróis de neblina, ar-condicionado, direção, vidros dianteiros e travas elétricas, abertura elétrica do porta-malas, além de ajuste de altura do volante e sistema multimídia com bluetooth e comandos de voz. Há também chave-canivete com alarme.
O banco traseiro é bipartido, e há cinto de três pontos e apoio de cabeça para todos os ocupantes.

Nem parece 1.0

Fora o design, a suspensão retrabalhada e elevada é mais dura, porém responde bem ao transitar por vias com piso irregular sem sacolejar demais quem viaja no carro e nem fazer muito barulho. Por sinal, o isolamento acústico do Ka é outro ponto digno de elogios. O barulho do motor 1.0 de três cilindros quase nunca incomoda, mesmo quando é mais exigido nas acelerações mais fortes.

Nas curvas, a estabilidade do compacto aventureiro também é boa. O câmbio manual de cinco marchas tem engates curtos e precisos e seja na cidade, ou na estrada, o desempenho do Ka Trail faz o motorista esquecer que está dirigindo um carro com motor 1.0. O carrinho acelera com disposição e muita agilidade.

Por dentro, os bancos revestidos em couro sintético são confortáveis. Nas laterais, foram colocados pequenos elásticos em verde e laranja e atrás do encosto há uma pequena rede.Os elásticos nos bancos, confesso que não entedemos sua utilidade. O espaço interno do Ka Trail é satisfatório para um hatch compacto e há muito porta-objetos espalhados pelo carro, o que é sempre interessante.

 

Ficha técnica

Motor: 1.0 12V flex, dianteiro, três cilindros em linha

Potência: 80/85cv com gasolina/etanol a 6.500 rpm.

Torque: 10,2 kgfm a 3.500 rpm (gasolina) e 10,7 kgfm a 4.500 mil rpm (etanol).

Porta-malas: 257 L

Tanque de combustível: 51,6 L


Falta de equipamento prejudicou o teste

Desprovido de computador de bordo, não foi possível aferir a média de consumo do compacto da Ford trajado para aventuras urbanas. De acordo com a Ford, o Ka Trail faz média de 8,9 km/L e 10,4 km/L com etanol e 13 km/L e 15,1 km/L com gasolina, respectivamente nos ciclos urbano e rodoviário.

Fazem falta outros equipamentos como retrovisores e vidros elétricos nas portas traseiras, por exemplo, que não constam na versão. E vale dizer que, com a pintura metálica, o preço da versão chega a salgados R$ 48.190.

O famigerado plástico rígido predomina no acabamento do Ka Trail. Em alguns pontos, como no painel, ele é texturizado e mais agradável ao toque. Sem condenações à Ford por isso. Afinal, essa ainda é a realidade do segmento dos veículos de entrada no país. (IV)

from Portal O Tempo – Interessa http://ift.tt/2scH7x9